domingo, 30 de março de 2014

Tradução do comentário de Chris Kearin a respeito de Viaje Alrededor de una Mesa

Em meu post sobre "Viaje Alrededor de una Mesa", nosso amigo Chris Kearin, do excelente blog Dreamers Rise, publicou um comentário que expande e talvez até supere meu texto. Tão excelente me parece que pedi ao Chris para que deixasse eu traduzir seu comentário e publicar a versão em português em um novo post. Nosso amigo norte-americano concordou e aqui está, para aqueles que não se viram tão bem no espanhol:

Pergunto-me se essa mesa redonda à qual se alude no título deste livro não será igual à que Cortázar se refere em "Lucas, suas discussões partidárias":

"Quase sempre começa igual, notável acordo político em montões de coisas e grande confiança recíproca, porém em algum momento os militantes não literários se dirigirão amavelmente aos militantes literários e lhes colocarão, por arquienésima vez, a questão da mensagem, do conteúdo inteligível para o maior número de leitores (ou ouvintes ou espectadores, porém sobretudo de leitores, oh sim)."

Há uma imagem da capa de "Viaje alrededor de una mesa" em "Cortázar de la A a la Z: Un Álbum Biográfico" (que acaba de sair), acompanhada de um breve trecho de uma carta a Vargas Llosa que faz referência a este mesmo encontro.

Creio que o argumento que Cortázar apresenta aqui é bastante similar ao que disse (em Cuba, originalmente) em "Del Cuento Breve y Sus Alrededores":

"Por minha parte, creio que o escritor revolucionário é aquele em quem se fundem indissoluvelmente a consciência de seu livre compromisso individual e coletivo, com essa outra so¬berana liberdade cultural que confere o pleno domínio de seu oficio. Se esse escritor, responsável e lúcido, decide escrever literatura fantástica, ou psicológica, ou volta ao passado, seu ato é um ato de liberdade dentro da revolução, e por isso é também um ato revolucionário mesmo que seus contos não se ocupem das formas individuais ou coletivas que adota a revolução. Contrariamente ao estreito critério de muitos que confundem literatura com pedagogia, literatura com ensino, literatura com doutrinação ideológica, um escritor revolucionário tem todo o direito de se dirigir a um leitor muito mais complexo, muito mais exigente em matéria espiritual do que imaginam os escritores e os críticos improvisados pelas circunstâncias e convencidos de que seu mundo pessoal é o único mundo existente, de que as preocupações do momento são as únicas preocupações válidas."

Saudações,

Chris

Nenhum comentário:

Postar um comentário